Logo Pekenino Kids Store

Ansiedade na Infância

04/10/2014       Dicas

Diferente do que se possa imaginar, as crianças podem desenvolver ansiedade e levar esses problemas para a vida adulta

Ansiedade na Infância

Existem diversos motivos que fazem as crianças serem ansiosas. Em alguns casos ela faz parte da personalidade e em outros, a ansiedade pode ser resultado de eventos fortes que aconteceram em sua vida como frustrações, sustos entre outras situações. É normal se sentir ansioso em alguns momentos, afinal, ela existe para ficarmos alertas aos perigos. O problema está quando o organismo não consegue manter os níveis de ansiedade e stress para tomar providências sensatas e o indivíduo, seja criança ou adulto, começa a apresentar comportamentos disfuncionais em situações que não necessitam dessa descarga.

Diferente do que se possa pensar, crianças podem desenvolver quadros de ansiedade que se não observados a tempo e tratados corretamente, podem afetar a trajetória de vida delas. Para tirar todas as dúvidas sobre esse assunto, conversamos com quem mais entende do assunto: a psicóloga infantil, Priscila Badotti. A entrevista completa, você confere abaixo:

O que é ansiedade?

A ansiedade é uma forma de estresse e pode se manifestar física e emocionalmente. Até certo ponto, a ansiedade é considerada normal, pois é uma reação natural e, porque não dizer, essencial para a nossa sobrevivência. Por exemplo, diante de uma ameaça de perigo, ficamos alertas até ter a certeza de que a situação que nos encontramos pode nos colocar em risco, ou não, se devemos ficar e lutar ou correr e fugir. Porém, a ansiedade excessiva, como se estivéssemos em algum tipo de perigo constante, a longo prazo, gera um alto nível de estresse causando, assim, uma grande sensação de desconforto e prejuízos à vida das pessoas. E quando se trata de crianças, a ansiedade excessiva e frequente pode desencadear sintomas desfavoráveis para o desenvolvimento saudável infantil, podendo afetar a concentração, a alimentação, o sono, etc. Um ataque de ansiedade pode começar repentinamente ou gradativamente. Alguns fatores desencadeadores de ansiedade: mudança de casa ou de cidade, perda de um ente querido ou de um animal de estimação, presenciar ou ser vítima de violência, etc.

Como diagnosticar a ansiedade em crianças?

Os pais devem ficar atentos se a criança tiver alterações no comportamento e/ou na rotina, por exemplo, se a criança costumava dormir bem todas as noites e de repente passa a apresentar dificuldade na hora de dormir ou de manter um sono tranquilo durante a noite, pode ser um sinal de alerta. Porém, essa situação deve estar associada a outros comportamentos diferentes do habitual e estar acontecendo na maioria dos dias da semana, durante algumas semanas. Outros sintomas que podem servir de alerta são: choro sem explicação, mudanças nos hábitos alimentares, sentimento de insegurança,” manhas", irritabilidade, apego exagerado com os pais (ou com um dos dois), dificuldade para manter a atenção, medos aparentemente sem sentido como, preocupação excessiva com a escola, com a própria segurança e a de seus familiares, dores de barriga, dores de cabeça, etc. E durante uma crise de ansiedade a criança pode ter sensações físicas como, taquicardia, tontura, sudorese e sentir dificuldades para respirar.

Depois de diagnosticada, quais são os passos para o tratamento?

A identificação e o tratamento precoces dos transtornos de ansiedade podem evitar repercussões negativas na vida da criança. O ideal é buscar ajuda de um psicólogo infantil. Na terapia, com o uso de técnicas lúdicas e conversando com o psicólogo sobre os seus sentimentos, a criança passa a entender o que está acontecendo com ela, que mudanças podem ser feitas para aprender a lidar com o estresse que causa a ansiedade e conseguir superá-lo. Também é importante acolher e orientar a família que, na maioria das vezes, está tão assustada quanto a criança. Em alguns casos é necessário a intervenção de um psiquiatra infantil.

A ansiedade por ser “aprendida”?

Pesquisas apontam fatores genéticos (chances aumentadas para quem tem casos de transtornos de ansiedade na família) e aspectos do ambiente familiar. Neste caso, se o estilo familiar de encarar a vida for sempre de muito medo, preocupações e uma dose extra de ansiedade, a criança também poderá aprender a ver o mundo dessa forma. E, muito pior, se realmente, a criança for criada num ambiente que não ofereça segurança e tranquilidade e tenha perigos iminentes.

Se não houver uma preocupação dos pais quanto ao tratamento, a ansiedade pode evoluir para alguma outra doença?

Sim, devido ao alto nível de estresse, a criança pode desenvolver fobias (específica e social), ataques de pânico, Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG), Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC), episódios depressivos, entre outros.

A ansiedade infantil pode se prolongar para a vida adulta? Quais problemas isso pode acarretar para a pessoa?

Sim, a ansiedade que se inicia na infância, se não for devidamente tratada, poderá ter consequências e complicações na vida adulta, evoluindo para algum transtorno de ansiedade, do humor, entre outros.

Priscila Badotti - Psicóloga Infantil - CRP 08/16319
Contatos: 41 9671-8460

Fonte: www.psicologia-infantil.psc.br




Notícias Relacionadas

Ansiedade na Infância

Ansiedade na Infância

Dicas

Ler essa novidade completa

6 ideias de leites para sair da rotina com as crianças

Criança tomando leite

Dicas

Ler essa novidade completa

Questão de pé: Como acertar o tamanho do calçados dos pequenos

Mãe provando sapado nas filhas

Dicas

Ler essa novidade completa

Meu filho pode ser vegetariano?

Crianças Vegetarianas

Dicas

Ler essa novidade completa

Nossas Lojas em Curitiba

Confecções e Calçados Infantil

Rua Alberto Bolliger, 420. Lj. 26 e 27
Shopping Royal Street Center - Curitiba PR
41 3027-2233
Horário de Atendimento
Segunda à Sexta das 10:00 às 19:00
Sábado das 09:00 às 17:00

Indique a Pekenino

Fique por dentro!

Pekeninas sementes de amor na moda infantil
2014 - Pekenino Kids Store | Todos os direitos reservados
Webdesign by Out Paper